terça-feira, 1 de abril de 2008

um ESPIRRO na sua ÍRIS


de nada vale a alma nobre do poeta
pois facilmente ele constata
a falta de constatação do leitor
(e quando tem leitor!)

então o poeta chega a conclusão
que ele não é nada nobre
é sim um estúpido suicida
à procura de uma nova
cicatriz em seu corpo

[cicatriz feita por ele... quandoLÊumDOSseusPOEMAS]

Um comentário:

Poliana jacinto de souza disse...

Mas dá alma do poeta só tem ascesso aquele sortudo a quem ele permite.te admiro poeta .