terça-feira, 29 de abril de 2008

21 - planalto dos TUBARÕES

2 1...

morrer não é o pior castigo
permanecer [vivo] com essas injustiças sociais
é sobreviver no inferno


onde o homem ao seu lado
- engomado e engravatado -
é o seu súbito inimigo


(o temido dIaBlO)

soldier pachola



SUBA NO TETO

SANGRE SEU FETO

MESMO QUE INTACTO

APESAR DO IM - PACTO

ELEVE O QUIETO

IMPÉRIO RETO

byte

a
brutalidade

é

a

face

outrora

do

HO - MEM

FACCIOSISMO

a agonia que me espanta

é a mesma que me engana

me sufoca e me enforca


com uma faca na mão

cortante e penetrante

esfaqueio todos os meus planos


enfurecido, entediado, decepcionado

(com meu discurso sendo estuprado!)

sou sugado violentamente


pois as pessoas próximas e sadias

adoecem meus princípios

e me ignoram ultrajantemente

vodu UTOPISTA



o dIaBo não existe
existe é o medo de saber
que o verdadeiro MAL
está dentro de você;
sendo assim, fica fácil
colocar a culpa
no {pobre} do dIaBo
afinal,
ele nunca reclamou
(por que reclamaria agora?)

sábado, 26 de abril de 2008

exumando falo




não morra sem pensar


não morra sem falar


não morra!!!




se morrer fútil


inútil ao inferno irá




levante e tente novamente

...uma pausa na poesia para apreciarmos o Inferno de Dante!



INFERNO SUPERIOR (vestíbulo e círculos I a V): Limbo e morada dos que pecaram por incontinência


*Portal do Inferno:

"... Abandonai todas as esperanças, vós que entrais!" (Canto III)


*Ante-câmara (vestíbulo): Fúteis e indecisos - aqueles que não tomaram partido do bem ou do mal (são rejeitados pelo Céu e Inferno). São torturados por vermes e vespas por toda a eternidade (Canto III).


*Rio Aqueronte: Rio que cerca o Inferno. A travessia (sem volta) é realizada por Caronte - o barqueiro (Canto III).


*Círculo I (Limbo): Os que não pecaram, mas não foram batizados. Não sofrem porém não têm esperanças (Canto IV).


*Minós: Juiz dos mortos. Monstro que se enrosca no próprio rabo e despacha os pecadores às suas penas (Canto V).


*Círculo II: Luxuriosos. São agitados dentro de turbilhões de vento que nunca cessam (Canto V).


*Círculo III: Gulosos. Jazem submersos na lama onde são dilacerados por Cérbero (Canto VI) e cortados pela chuva eterna.


*Círculo IV: Avarentos e gastadores. Passam a eternidade empurrando pedras uns contra os outros sem finalidade (Canto VII).


*Círculo V e Rio Estige: Dominados pela ira e pelo rancor. Massacram uns aos outros dentro do rio nojento (Canto VII) ou gorgolam a lama no seu fundo.


*Cidade de Dite: a cidade da dor eterna, cercada pelo Estige, protegida por diabos e fúrias. Flégias: barqueiro do Estige, realiza a travessia (Canto VIII).


Ilustração de Helder da Rocha.

terça-feira, 1 de abril de 2008

ÁREA - 51

como posso ser
tão diferente assim?
ora...

[tão diferente dos outros?]

...como nunca ninguém
observou tal façanha?

insignificância contemporânea


a última lágrima
tem um suave gosto doce
de toda ingrata vida amarga
com um leve sabor

do retrospecto trágico da felicidade;


[salve a felicidade!]


[viva a longevidade!]


adiantou chegar tão longe?

Dionísio Ltda.

em busca de um ofício
o homem se torna
frágil, inseguro...

no êxtase eclíptico
esse mesmo homem
chega ao clímax;pena não ter me dopado antes
para diminuir essa faceta global
usando meu cinturão de órion

um ESPIRRO na sua ÍRIS


de nada vale a alma nobre do poeta
pois facilmente ele constata
a falta de constatação do leitor
(e quando tem leitor!)

então o poeta chega a conclusão
que ele não é nada nobre
é sim um estúpido suicida
à procura de uma nova
cicatriz em seu corpo

[cicatriz feita por ele... quandoLÊumDOSseusPOEMAS]

dogma fracionário

ando ao lado
da sabedoria e paciência
para trilhar
esse longo caminho:
que é conviver com essa
sociedade hipócrita
e totalmente animal...
não que ser animal
seja hipocrisia,
mas de tanto usar este lado
acaba se tornando
HIPÓCRITA

CARMAGEDOON


SOFRO
VARIAÇÕES
CONTÍNUAS
DA PRÓPRIA
SOCIEDADE
QUANDO
LEMBRO-OS
O LADO
"REAL"
E QUESTIONÁVEL
DA VIDA
[!!!]