terça-feira, 11 de março de 2008

fábrica de crianças


devemos negar nossa raça?
será que nem humanos somos?
ao menos neo[fascistas] já fomos
o que caracterizou nossa voz
[servida in-útil]
para com os que nos redime:
co-lecionadores fiéis
da es-quadrilha fundida
liberada a-típica e utó-pica
de uma fonte sistemática
e categórica servil-hando,
compenetrando ao ventre
sangrento de mães miseráveis
que des-mamam seus
esquizofrênicos famintos
ladrões assassinos

Um comentário:

Anônimo disse...

Caramba!!!... muito cruel, um retrato frio da realidade humana.
Continue nos impressionando com sua impessoalidade absoluta, deixando perpetuar o seu talento.
Flávia Beatriz.