sábado, 20 de dezembro de 2008

Selo -PRÊMIO DARDOS-

Agradecimentos sinceros ao meu caro amigo, e irmão blogueiro,
Abraão V. de Sousa (é o menino-homem?)
pelo reconhecimento e respeito...


Agora indico mais 15 blogs que também merecem aplausos, e este magnífico "selo-prêmio":

    1. Devolvendo o prêmio... ao enigmático "é o menino-homem?";
    2. Singelamente, ao -Poeta- "j. m. j. & poemas";
    3. Fundamentalmente, "João Jacinto . Astrologia"
    4. Aos "ENCONTROS" de Andrea Lucia;
    5. Um convite... "Tatuagem";
    6. Para o perfeito "armazemdapalavra";
    7. Este vai para meu irmão Rinnaldo Alves com "O amor me move...";
    8. Psinsomnia no melhor de "Da Busca - Fabio Rocha";
    9. ?
    10. Ao puro "Veneno Antimonotonia";
    11. Ao incrível "Metades", de minha amiga Renata dos Anjos;
    12. À equipe "Os opostos de distraem, os dispostos se atraem..";
    13. Meus ilustres... "Um vulto de sanidade" a vocês;
    14. Começando agora, mas merecedora "Garotinha Crescida";
    15. E por fim, um brinde ao blog "Notas Quentes", de Sinara Bertholdo.
...Bem, a vocês que foram merecidamente prestigiados é preciso seguir algumas "regrinhas":

- Primeiro, é importante saber que: "Com o PRÊMIO DARDOS se reconhecem os valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web".


sábado, 22 de novembro de 2008

o ópio do ódio

vestido com uma camisa do Che

e ouvindo Bob,

(bebendo c-u-b-a-l-i-b-r-e)

quase frenético,

Hamlet ouve

uma suave voz

de seu pai,

dizendo como

e por quem foi assassinado,

deixando para ele

a missão de vingar

sua morte

GPS

somos espectadores
e atores simultâneos
com sentimentos de piedade
às falhas de horror
em circunstâncias permanentes;

essa excitação nos envolve
e conforme a história se desenvolve,
e termina ciclos,
fixamos no cérebro
um chip conectado para desabafar
e ter a sensação de conformidade
logo em seguida...

a luta constante
com as mudanças tecnológicas avançadas,
forçam o homem a se adaptar
ou então, estará excluído...

e assim, com essa ambição doentia,
permitimos ao caráter humano
ser geneticamente alterado.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

VIOLENTADO

a angústia aprisionou-me
fez cortar-me os pulsos!
agarrou as minhas pernas
nuas e insanas
__entranhas__
a ignorância arredia
com meu
sangue veneno,
atravessou a
alma,
despejando lábios com beijo de
fel.
sou uma
fera --enjaulada--
com olhar fogo-ardente
queimando corpos
luzes
à espera de um furto desencontro.
corro... atravesso a contra-
mão,
transformo-me em um profano
não sou mais quem eu era antes.
dos meus desejos restam
cinzas
ao
incrível de minhas ilusões
só o vento amigo pronuncia...
ainda quero, compro e imploro
a idéia abstrata do
erro,
mesmo que custe uma
auto-destruição;
caminho... espalho explicações
corretas e sinceras versões
cruas, sombrias desilusões;
contudo, alimentei uma
súbita fúria
diagnosticada fatalmente por: você.
te olhei, persegui,
perdi...
embora já não vejo mais
deixo-te um sonoro grito do corte
com um toque breve do adeus...

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

homo SAPIENS


SOMOS UM BANDO DE MACACOS LOUCOS


ENJAULADOS EM NOSSAS TECNOLÓGICAS PENITENCIÁRIAS


À BUSCA DE MAIS UM COPO DE SANGUE


PARA vOmItArMoS NOSSA FÚRIA PREDATÓRIA




ABORTO A PRAZO!


o mundo moderno do século XX

foi uma fase conturbada,

o que caracteriza

nossa contemporaneidade

ou seja,

somos FILHOS das:

desilusões, inquietudes, desigualdades

e frutos de uma extrema tecnologia,

propiciando-nos o esplendor

da vida contínua...

essa a qual vivemos

à busca da interrogação

de um sOnOrO:

'por quê?'


têmpera tertúlia


o sêmen que te acolhe



INFINITO & AFOITO


mergulha em seu útero


fincando a fagulha


do eterno momento


deflorando SUA mente



este sangue derramado


tem a mesma importância


dessa calcinha suja


e desse catarro estampado



no papel higiênico do toilette





sexta-feira, 25 de julho de 2008

medal of honor




o poeta é a brusca vontade

de mostrar

e adquirir conhecimento;


é como uma pessoa comum,

tão comum a ponto

de sagrar-se estúpido

quando não é compreendido...

haraquiri


(me)diante

aos

inúmeros

tantos

acertos...

deveríamos

pertencer

ao

caos?




FELICIDADE MANSFIELDIANA

temos uma vida breve
e uma trajetória conturbada
por crises e crises...
até sentimentais
entre relacionamentos inconfessáveis
nessa atmosfera global;

procuramos na criação
algo que nos redime
do sofrimento da doença
e da iminência da morte,
privilegiando sempre o instante;

então, essa grandeza
na intimidade dos sentimentos
transforma-nos em personagens
inseguros e complexos;

por isso, debatemos
o eterno conceito:
__vIvEmOs Ao EnCoNtRo
oU dE eNcOnTrO à FeLiCidAdE?

pseudo-ANALÍTICO

a reflexão pessoal
é também coletiva
(ridículo!)

isso porque,
na etapa prolongada

da vida hUmAnA,

atos e fatos pequenos
passam despercebidos
>tornando fútil
singelos apreços;

assim, o ser hUmAnO
é especificamente mecâ-nico,
cuja plenitude
das ações positivas

é de impossível alcance,
já que procuramos
explicações
em realizações...
o QuE é LaMeNtÁvEl.

a cibercultura



demonstre

sua

força

GUERREIRO

BRAZUKA...

explore

sua

web,

virtualize

o

ciberespaço

ou

meramente

queime

seus

arquivos

na

noosfera


terça-feira, 15 de julho de 2008

(é...) QUEIMANDO


é tempo de recomeçar
acreditar num novo tempo

[empenhar-se é preciso]
[lutar com garra!]

é hora de rever
todos os conceitos

ter sangue nos olhos
é preciso...

domingo, 29 de junho de 2008

749



a
morte
chega
mais
rápida
do
que
você
imagina

fuja
enquanto

tempo (...)

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Lu-Z / Lu-Cro



silêncio letal!
não me analise
não fique cri-ti-can-do minhas ações

[im-perfeito, exigente, frio, carente]
– todo cheio de marcas
ouço/vejo: em cada grito de
desespero
a carência humana,
a instabilidade do amor...
ando pelas
ruas, desviando dos buracos das calçadas
[só pra não torcer o pé pela décima vez!]
levo quase tudo a sério
adoro testar – a irritabilidade e lealdade alheia –
faço árvore genealógica da família,
tenho e acredito em Deus!
[e no PT/Lula também!]
adoro trovões! sofro de insônia
{as madrugadas ferem minha alma}
sou compulsivo por música,
amo profundamente... mando e-mail, cartão e rosas
[ainda sim, a insensibilidade me toma]
digo "eu te amo" uma única vez
– encho de beijos, morro de ciúmes –
provoco a todo instante
e não tenho paciência pra burrice!


[*Aut.: Elias Gomes / João Carlos Freitas]

terça-feira, 29 de abril de 2008

21 - planalto dos TUBARÕES

2 1...

morrer não é o pior castigo
permanecer [vivo] com essas injustiças sociais
é sobreviver no inferno


onde o homem ao seu lado
- engomado e engravatado -
é o seu súbito inimigo


(o temido dIaBlO)

soldier pachola



SUBA NO TETO

SANGRE SEU FETO

MESMO QUE INTACTO

APESAR DO IM - PACTO

ELEVE O QUIETO

IMPÉRIO RETO

byte

a
brutalidade

é

a

face

outrora

do

HO - MEM

FACCIOSISMO

a agonia que me espanta

é a mesma que me engana

me sufoca e me enforca


com uma faca na mão

cortante e penetrante

esfaqueio todos os meus planos


enfurecido, entediado, decepcionado

(com meu discurso sendo estuprado!)

sou sugado violentamente


pois as pessoas próximas e sadias

adoecem meus princípios

e me ignoram ultrajantemente

vodu UTOPISTA



o dIaBo não existe
existe é o medo de saber
que o verdadeiro MAL
está dentro de você;
sendo assim, fica fácil
colocar a culpa
no {pobre} do dIaBo
afinal,
ele nunca reclamou
(por que reclamaria agora?)

sábado, 26 de abril de 2008

exumando falo




não morra sem pensar


não morra sem falar


não morra!!!




se morrer fútil


inútil ao inferno irá




levante e tente novamente

...uma pausa na poesia para apreciarmos o Inferno de Dante!



INFERNO SUPERIOR (vestíbulo e círculos I a V): Limbo e morada dos que pecaram por incontinência


*Portal do Inferno:

"... Abandonai todas as esperanças, vós que entrais!" (Canto III)


*Ante-câmara (vestíbulo): Fúteis e indecisos - aqueles que não tomaram partido do bem ou do mal (são rejeitados pelo Céu e Inferno). São torturados por vermes e vespas por toda a eternidade (Canto III).


*Rio Aqueronte: Rio que cerca o Inferno. A travessia (sem volta) é realizada por Caronte - o barqueiro (Canto III).


*Círculo I (Limbo): Os que não pecaram, mas não foram batizados. Não sofrem porém não têm esperanças (Canto IV).


*Minós: Juiz dos mortos. Monstro que se enrosca no próprio rabo e despacha os pecadores às suas penas (Canto V).


*Círculo II: Luxuriosos. São agitados dentro de turbilhões de vento que nunca cessam (Canto V).


*Círculo III: Gulosos. Jazem submersos na lama onde são dilacerados por Cérbero (Canto VI) e cortados pela chuva eterna.


*Círculo IV: Avarentos e gastadores. Passam a eternidade empurrando pedras uns contra os outros sem finalidade (Canto VII).


*Círculo V e Rio Estige: Dominados pela ira e pelo rancor. Massacram uns aos outros dentro do rio nojento (Canto VII) ou gorgolam a lama no seu fundo.


*Cidade de Dite: a cidade da dor eterna, cercada pelo Estige, protegida por diabos e fúrias. Flégias: barqueiro do Estige, realiza a travessia (Canto VIII).


Ilustração de Helder da Rocha.

terça-feira, 1 de abril de 2008

ÁREA - 51

como posso ser
tão diferente assim?
ora...

[tão diferente dos outros?]

...como nunca ninguém
observou tal façanha?

insignificância contemporânea


a última lágrima
tem um suave gosto doce
de toda ingrata vida amarga
com um leve sabor

do retrospecto trágico da felicidade;


[salve a felicidade!]


[viva a longevidade!]


adiantou chegar tão longe?

Dionísio Ltda.

em busca de um ofício
o homem se torna
frágil, inseguro...

no êxtase eclíptico
esse mesmo homem
chega ao clímax;pena não ter me dopado antes
para diminuir essa faceta global
usando meu cinturão de órion

um ESPIRRO na sua ÍRIS


de nada vale a alma nobre do poeta
pois facilmente ele constata
a falta de constatação do leitor
(e quando tem leitor!)

então o poeta chega a conclusão
que ele não é nada nobre
é sim um estúpido suicida
à procura de uma nova
cicatriz em seu corpo

[cicatriz feita por ele... quandoLÊumDOSseusPOEMAS]

dogma fracionário

ando ao lado
da sabedoria e paciência
para trilhar
esse longo caminho:
que é conviver com essa
sociedade hipócrita
e totalmente animal...
não que ser animal
seja hipocrisia,
mas de tanto usar este lado
acaba se tornando
HIPÓCRITA

CARMAGEDOON


SOFRO
VARIAÇÕES
CONTÍNUAS
DA PRÓPRIA
SOCIEDADE
QUANDO
LEMBRO-OS
O LADO
"REAL"
E QUESTIONÁVEL
DA VIDA
[!!!]

sábado, 22 de março de 2008

contrariando -santo Agostinho-

D
E
S
T
I
L
E
M
O
S


N
O
S
S
O


V
E
N
E
N
O
.
.
.

six? six? six?



six?



six?



six?

Loa



estamos presos ao nosso cruel futuro a prazo,
vivemos entediados ao lado de uma súbita ignorância;
juntos formamos essa cadeia extrema com arrogância
onde somos frutos de um sonoro acaso

inexplicavelmente, o homem é um ser exato
somado em uma tempestade vazia
importa-se com a menor parte: a fria
despertando um ensurdecedor grito de não grato!

a humanidade sendo regressivamente desumana
completa o elo de infelizes desalmados em entranhas
encarecendo e corrompendo a vida de pessoas estranhas
indo ao encontro de uma sociedade profana

entristecidos, andamos cada vez mais: sorrindo!
vivendo exemplarmente como feras em rebeliões;
inatingíveis, somos atingidos por humanas munições
destruímos explicações a este lado e continuamos fugindo

engrandecer diminui nossos anseios
por isso, aumentamos nossa fúria contemporânea
traduzindo-a em um espetáculo de dimensão espontânea
o que nos permite retroceder aos primórdios

exagerando, tornamos amantes exagerados:
fiéis amores ao mundo de traição
pleiteando pessoas e costumes à nossa invasão
assim, corações desprotegidos são bombardeados

e, desacreditando em nossas forças e obras
passamos a não acreditar no futuro,
vindo em mente o terrível sangue impuro:
de mães, crimes e risos de cobras...

Loadeando



...iludentes perdidos;
cruéis, famintos, ferozes
transformam-se gritos em latidos

cães selvagens (isso somos!), insanos.
olhem à veracidade da nossa fúria canina
com dentes afiados! imagina?!
pedindo e comendo carne de humanos

laudatício, capitalizando, torna-te sociável
implicando com valores ideológicos
visando espetacularmente nossos egos
em presença de um agudo ar renovável

escurecendo o mundo claro de ilusão
alternamos o animalesco vasto prato:
mudamos o homem de cobra e cão para rato,
o qual é encontrado em uma confusa dimensão

ao início, finalizamos a vida humana
quebramos o tempo e o temperamento,
aumentamos o sombrio comportamento
e entediamos nossa fauna

ao certo, é improvável... porém velozes
distorcido e conceitualmente sem nexo
trágico, cômico e complexo
entretanto, firmo em tais metamorfoses

urso polar


(com um toque de France)
a decepção é pragmática.
assim me tornei forte,
imbatível, intolerante,
insignificante...
agora sou corruptível,
distraído, indeferido...
um louco pobre
-um traste farrapo sem ideal-
ao encontro de um:
notório
mundo
nórdico

variação LINGÜÍSTICA

falar, falar e falar...
até seria compensatório

-uma forma a mais de evolução da Língua-

se não fosse tudo
blá... blá... blá...

terça-feira, 11 de março de 2008

fábrica de crianças


devemos negar nossa raça?
será que nem humanos somos?
ao menos neo[fascistas] já fomos
o que caracterizou nossa voz
[servida in-útil]
para com os que nos redime:
co-lecionadores fiéis
da es-quadrilha fundida
liberada a-típica e utó-pica
de uma fonte sistemática
e categórica servil-hando,
compenetrando ao ventre
sangrento de mães miseráveis
que des-mamam seus
esquizofrênicos famintos
ladrões assassinos

quinta-feira, 6 de março de 2008

cadê o coelho?

os
alquimistas
estão
chegando...

de onde?


não importa o contexto
coelhos sempre chegam
sem endereço
nem adereço


portando
nada em sua pasta
para oferecer






manutenção da atenção




acordem!!!

...espalhem:
toda
fúria
contemporânea

destilada
em poesia!



in...


p

o
e
s
i
a

c
o
m

i
r
a,


c
o
m

s
a
n
g
u
e